sábado, 20 de abril de 2013

A patrulha contra a quinta-coluna

O temor de algum incidente envolvendo as casadas é a principal razão para que o comandante José Ricardo não aprove e até condene, sempre que possível, os contatos da sua tripulação e também dos jovens militares com os passageiros civis – principalmente as passageiras. A carranca do manda-chuva da embarcação rendeu, nos cochichos entre os soldados, o boato de que ele seria um “quinta-coluna”, como são conhecidos os colaboradores e espiões do Eixo infiltrados no País.
O termo, que designa os possíveis inimigos camuflados nas entranhas brasileiras, surgiu no fim da década anterior, na Espanha. O líder fascista espanhol Francisco Franco preparava uma marcha com quatro colunas de soldados sobre Madri, enquanto uma “quinta coluna”, clandestina, esperava-o para apoiá-lo na capital espanhola. Agora, na Segunda Guerra, a expressão ganhou força em alusão aos contingentes que apoiam as ações nazistas em todos os continentes, atuando como sabotadores, espiões, propagandistas ou simples simpatizantes dos ideais do Terceiro Reich.
No Brasil, qualquer um que pareça suspeito de algum desses predicados já é chamado, muitas vezes sem saber disso, de quinta-coluna. É o caso de José Ricardo, olhado de esguelha por alguns soldados. O comandante, porém, é apenas um homem sério e zeloso do bem-estar em seu navio – embora, por vezes, seu aspecto rude contribua para o contrário, como acontece com os praças do Grupo de Artilharia de Dorso.

(TRECHO DO LIVRO "U-507")

Nenhum comentário:

Postar um comentário